Ah Segunda-feira, primeiro dia do batente, onde a grande massa urbana sai de suas residências de manhã rumo ao trabalho por meio de transportes públicos lotados, trânsito rotineiro e exaustivo, e a primeira batalha do dia é conseguir entrar no metrô, onde até o ar disputa vaga com braços, bolsas e mochilas, onde aquela paciência acumulada durante o fim de semana é gasta até o limite no trânsito logo no primeiro dia de trabalho.

captura-de-tela-2017-01-30-as-12-11-40

Eu já passei por isso inúmeras vezes, e me sentia preso; um ausência de liberdade, de poder me desprender dessas armadilhas urbanas e poder correr livremente, via os ciclistas nas vias urbanas e sentia uma extrema inveja de estar no seu lugar, de poder ser livre por essa cidade como eles. Até que um belo dia adquiro minha Bike, um speed, e como num passe de mágica, voilà, estava livre, e a felicidade acompanhou está liberdade de poder pedalar pela cidade e sentir aquele fervor no corpo, calafrios na boca do estômago, a brisa no rosto. A mais pura adrenalina corria em minhas veias, estava me tornando um ciclista urbano. E, ah, as segundas feiras nunca mas foram monótonas e estressantes, toda segunda de manhã eu e minha magrela curtimos felizes essa cidade que tanto tem a nos oferecer.

Viva as Segundas-feiras! Viva a Bike! Viva a liberdade! 

Tsonga.