Berlim é uma cidade de infinitas possibilidades. Uma mistura do passado e do contemporâneo, de história, arte e estilo de vida. Além de transbordar cultura, a capital alemã é ideal para o deslocamento sobre duas rodas, possui grandes parques, solo plano e mais de 670 quilômetros de ciclovias.

O enorme potencial da metrópole para virar uma das mais “amigas da bicileta” na Europa, é comprovado pelo aumento no número de ciclistas, que de acordo com a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente de Berlim, cresceu em 44% entre 2001 e 2013.

Dentre todas as iniciativas bacanas que envolvem a magrelinha, o “Radbahn” se destaca, pois não se trata apenas de uma ciclovia coberta, é muito mais que isso.

O projeto que já está em andamento, ainda não está pronto e nem tem previsão de conclusão, até porque são muitas as questões que devem ser cuidadas nesta obra.

A nova via vai passar no centro da cidade, por baixo de um dos viadutos mais conhecidos, o U1, uma linha férrea com 120 anos de existência. O Radbahn tem como objetivo aproveitar a via, fazendo dela uma rota sustentável com algumas surpresas. A idéia é ter locais onde seja possível fazer uma pausa para descansar, como alguns cafés, “estações de serviço” com assistência técnica, zonas de aluguel de bicicletas, zonas verdes e até hortas urbanas.

A ciclovia terá também, uma vertente tecnológica experimental, pois o pavimento transformará o atrito provocado pelos pneus em energia para iluminar o percurso e as instalações ao longo do trajeto.

O Radbahn é, sem dúvida, um projeto super inovador. Iniciativas como essas humanizam as cidades, e transformam a relação cidade-cidadão cada vez mais próspera.

JCB