Hoje é o dia internacional das mulheres!!

E ,lógico, que nós do CourriBlog não poderiamos deixar essa data passar em branco… Portanto, nossa postagem de hoje é inteiramente dedicada à elas, ou melhor, à nós, mulheres!

Pesquisando um pouco sobre a incrível relação entre as bicicletas e as mulheres, encontramos essa MARAVILHOSA matéria no Vá de Bike que compartilhamos aqui com vocês:

Viva o empoderamento feminino!!!

 

A bicicleta como ferramenta de emancipação da mulher

Não podemos nos esquecer da importância da bicicleta na emancipação feminina. A feminista norte americana Susan Anthony disse: “Andar de bicicleta fez mais pela emancipação da mulher do que qualquer outra coisa no mundo”. E não sem motivo: a bike aumentou a liberdade de deslocamento para as mulheres, permitindo que fossem sozinhas de um lugar ao outro (que antes só era possível a pé), e ajudou a mudar o vestuário que limitava seus movimentos.

Naquela época, médicos como o francês Phillipe Tissié afirmavam que pedalar faria mal às mulheres, podendo causar até esterilidade feminina. Outros afirmavam que a bicicleta seria indecente, porque traria prazer pela “fricção nas partes íntimas”. Talvez fosse uma argumentação criada em torno da recusa em aceitar que as mulheres conquistassem essa autonomia, mas felizmente já havia quem defendesse seu uso, como o também francês Ludovic O’Followell, que afirmava que pedalar fazia bem à saúde feminina.

Feminismo

As americanas e francesas foram as pioneiras no uso da bicicleta. Essa liberdade pessoal chegou em um momento em que as mulheres iam à luta por seus direitos, especialmente ao voto, à propriedade e a assinar contratos, e as feministas apoiaram a novidade.

Elizabeth Staton, que trabalhou com Susan Anthony pelos direitos das mulheres por mais de 50 anos (e, segundo algumas fontes, tinha com ela uma relação romântica), chegou a dizer que “a mulher está pedalando em direção ao sufrágio”.  Maria Pognon, presidente da Liga Francesa de Direitos da Mulher, afirmava que a bicicleta era “igualitária e niveladora”, ajudando a “libertar o nosso sexo”.

A imagem da bicicleta ficou ligada à figura da New Woman nos Estados Unidos, o conceito de mulher que contestava os papéis tradicionais e se envolvia com o ativismo, reivindicando principalmente o direito de voto.

Liberdade

Essa é a palavra que melhor define a bicicleta. E já era assim no final do século XIX. Antes dependendo da anuência e ajuda dos homens para levá-las onde desejavam ir, americanas e europeias começaram a se locomover conforme sua vontade e disposição, conquistando autonomia. Passaram a circular mais pelo espaço público, a ir mais longe e a se reunir com outras mulheres sem a presença de homens, fosse para discutir e trabalhar pelos seus direitos ou apenas para se divertir.

Como consequência da vontade e da necessidade de usar a bicicleta, as mulheres conseguiram se libertar também das vestes que as sufocavam. Grandes saias, que pesava e limitavam seus movimentos, e espartilhos apertados, que machucavam seus corpos, foram substituídos por roupas mais leves e justas, como os spencers (uma adaptação do casaco masculino usado à época) e as calças bloomer. Lançadas em 1850 por Amélia Bloomer, aliada de Susan e Elizabeth e editora do primeiro jornal voltado às mulheres, as calças largas lembravam um pouco as saias, mas permitiam um uso mais confortável da bicicleta e facilitavam até o caminhar.

A bicicleta trouxe às mulheres liberdade de movimento e de deslocamento, direta e indiretamente, deixando um legado que se estende aos dias de hoje. E já estava, há mais de um século, situada em meio a lutas e conquistas de direitos e liberdades, acompanhando quem lutava por uma sociedade mais justa e igualitária.