Proposta traz vantagens como bicicletas mais robustas, maior proximidade entre as estações e empréstimo de bikes nas periferias

 

Em coletiva de imprensa realizada na quinta-feira, dia 8, o banco Itaú e a empresa especializada em mobilidade urbana tembici apresentaram um redesenho do sistema de compartilhamento de bicicletas Bike Sampa. Para implementá-lo, no entanto, Itaú e tembici aguardam a definição pela Prefeitura das novas regras para o sistema de compartilhamento na cidade. O processo encontra-se em elaboração desde que um Edital de Chamamento Público foi suspenso pelo Tribunal de Contas do Município em agosto de 2016.

A proposta vem com a alteração na gestão do sistema. A tembici passou a ser a nova empresa responsável por organizar e operar o Bike Sampa após adquirir a antiga operadora da rede, a Samba Transportes Sustentáveis.

Entre as novidades estão os novos modelos de bicicletas e de estações de retirada e devolução, desenvolvidos pela empresa canadense PBSC que atua em cidades como Nova Iorque, Londres e Guadalajara. Nas bikes, as principais diferenças em relação às atuais são luzes alimentadas por dínamo, pneus tamanho aro 24 e um bagageiro dianteiro. No site do fabricante são identificadas como o modelo “FIT”.

As estações apresentam uma reformulação radical: sai a atual estrutura que retém as bicicletas em uma única barra horizontal para dar lugar a módulos individuais que são apenas colocados sobre o pavimento, sem necessidade de obras de fixação.

Cada bicicleta fica estacionada em um pequeno totem que a libera ao usuário ao toque da digitação de um código numérico, obtido por meio de um aplicativo ou no local em um quiosque eletrônico, ativado por meio de cartão de crédito ou do bilhete único – nesse caso, o bilhete deve estar associado a um cartão de crédito.

A promessa é que problemas que atualmente atormentam os usuários do Bike Sampa, como topar com estações inoperantes ou bikes quebradas, fiquem para trás. Por meio de um novo sistema de controle, haverá um monitoramento de toda a rede com a possibilidade de detectar panes iminentes. A comunicação também seria melhorada, com o uso de canais como o Whatsapp e recursos como um botão nas estações destinado exclusivamente a ser acionado quando houver algum problema.

Também está previsto o reordenamento das estações, com a realocação de todas elas na região do centro expandido, visando a assim uma maior proximidade entre os equipamentos e, consequentemente, aumento na circulação das bicicletas. Há ainda um projeto de criação de bicicletários nas periferias com empréstimo de bicicletas em períodos de até 12 horas, permitindo que ela seja devolvida no dia seguinte.

 

 

Notícia retirada do Estado de S.P.