Não precisa de muito conhecimento de mercado para saber que a dependência única, de um cliente ou fornecedor é inapropriada para o seu negócio, seja ele qual for. Não precisando de experiência governamental, assistimos que basta passar alguns meses no cenário poítico para ganhar um imenso salário não registrado e sofrer com nossos infinitos impostos não terem retorno.

Desde o começo da semana, herdamos com os diversos erros que o país sempre foi “empurrando com a barriga”, contar com os transportes rodoviários, que movimentam a maior porcentagem das cargas responsáveis por abastecer os estados. Existindo apenas 4 modais de transporte atualmente (Aéreo, Dutoviario, Ferroviário e Rodoviário), não por única opção nem por falta de infraestrutura, as cidades brasileiras dependem em sua maior parte, de apenas um.

Suas desvantagens são o perigo de roubo e a dependência do ritmo de trânsito ou a greve destes, podendo demorar a entrega, além de ser o que mais polui, com a queima de seus combustíveis. É utilizado em alta escala atualmente, desde transporte de pequenas cargas até grandes, utilizando caminhões, mas esses automóveis têm vida útil baixa, o que aumenta o custo de transporte, uma vez que precisa ser trocada constantemente a frota.

O sistema logistíco nacional, vem deixado às moscas desde o governo de JK, não precisando mencionar as manobras politicas de cada presidente com os diferentes tamanhos de trilhos construidos durante o tempo, o que impossibilita o intenso uso dos trens como um dos meios de transportes, o qual , seria capaz de cortar o país de uma ponta a outra.

Para que não bastasse, rodovias se encontram em estados deploráveis, aumentando a cada buraco que o caminhão passa, o custo que o cliente paga no final da mercadoria. Bastou apenas 1 semana para as cidades declararem estado de calamidade.

Mencionado no começo do texto, a dependência quase que, exclusiva, do meio rodoviário, precisa ser alterada, URGENTEMENTE, fico chocado em saber que não precisou de 1 mês para postos de gasolinas terem zerado seus estoques, e uma grande marca do varejo ter avisado que existe um limite máximo de compra de produtos/cliente. Criticar sempre foi uma tarefa fácil para quem vê por fora, mas será que o que estamos passando devido a paralisação é justo?

Me dê sua opnião e me permita enxergar outras visões.